Macaúbas: Moradores do entorno da Praça do Coité promovem reunião com representantes do Poder Público, para cobrar ações no local

Ações rápidas foram garantidas pelo Secretário de Obras e Infraestrutura

Na manhã desta sexta-feira (28 de janeiro de 2022) houve uma reunião na Praça do Coité, marco zero da história de Macaúbas/BA. O bate-papo foi convocado por residentes do bairro, que fica próximo ao Hospital Antenor Alves da Silva, Secretaria Municipal de Meio Ambiente e do Serviço Autônomo de Água e Esgoto (SAAE). A pauta do encontro foi a revitalização do espaço de lazer.

O local quase foi palco da construção de uma unidade do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), há mais ou menos 10 anos atrás. Essa ação só não foi concluída, por conta, entre outras, de manifestações populares, que reuniram diversas pessoas em prol da manutenção e ampliação do espaço que serve de lazer para a sociedade macaubense.

Após uma década, muitas reuniões ocorreram com discussões de medidas para preservar a praça, que deu origem a um município. Neste começo de fim de semana, mais um encontro foi feito, com pessoas ligadas a diversos setores.

Na oportunidade, além dos moradores do local, se fizeram presentes também o Secretário de Obras e Infraestrutura, Salvador Júnior, acompanhado de integrantes da pasta; o Secretário de Cultura, Adgilson Figueiredo (Gil de França); o Diretor do SAAE, Delcione Figueiredo e representantes da Secretaria de Meio Ambiente.

A conversa começou pouco depois das 08h20min, quando já se faziam presentes quase todos citados anteriormente. De início, a moradora Bia Bastos explicou a todos o motivo do convite para essa reunião e cobrou ações do Poder Público no local.

A gente quer saber como que está a questão do Projeto, algumas reivindicações de limpeza já aconteceu, a empresa de Limpeza Urbana não coleta lixo aqui, só coleta se a gente catar as coisas e colocar ali na rua, aí eles vão, passam e pegam. (…) Todo final de semana tem um grupo de jovens que vem, toda segunda-feira pela manhã, a gente tem que fazer um trabalho de coleta. A questão dos brinquedos que estavam aqui, mesmo que independente da praça está parada ou não, ela está lá dentro, está quebrando tudo e não tem mais a parte dos brinquedos. As lixeiras também estão dentro da Secretaria. A questão dos bancos, qualquer tipo de revitalização inicial, mesmo que a obra não dá continuidade, para a gente é importante por conta do povoamento da praça. E o que eu acho crucial é a questão da iluminação.

A moradora destacou a dificuldade que sente, por ter que conviver com a falta de iluminação no local.

3 (três) vezes na semana eu saio por volta das 22 horas do trabalho e preciso ter alguém que me trás, por que não tem condições de passar aqui na escuridão que está.

Ao final de sua fala, Bia faz uma cobrança, na presença dos representantes da Gestão, em busca de melhorias para todos que usam e moram no entorno da praça.

Como está o andamento do Projeto? Qual a perspectiva de prazo? E como está a discussão da volta da obra, por que sempre foi dialogado com os moradores, os projetos inicias aqui eram eucalipto, aí foi colocado concreto, a questão de não haver muito concreto, para sempre ter espaço de brincadeira, o espaço mais livre para que as crianças possam brincar.

Em seguida a fala da moradora, o Secretário de Obras explicou as condições do projeto, que foi iniciado no mês de agosto de 2020, e garantiu ações rápidas, em resposta ao apelo popular.

Antes de provocar essa reunião aqui, na Pracinha do Coité, uns 15 das antes eu falei com Heitor (servidor da Secretaria), ‘faça um levantamento da Pracinha do Coité, para terminar aquela pracinha’. Essa aqui estava no contrato de 9 (nove) praças, para uma empresa só. Só que aí decidiu encerrar o contrato, a empresa vinha capengando (andar com muita dificuldade).

Salvador disse que na transição (momento em que a gestão a ser finalizada e a próxima, formam uma equipe, para entregar a máquina pública de forma transparente) houve perda de dados relacionados a Praça.

Na transição de um governo pro outro, eles apagaram esse projeto e aí não tem como fazer o orçamento daqui, se eu não tiver o projeto, só deixaram as fotos, aí não tem como eu medir, não tem como fazer nada. Então eu vou ter que refazer o projeto daqui. Aí anteontem (26), mediram tudo de novo, para começar fazer de novo, fazer o orçamento, para mim passar pro prefeito, para o prefeito decidir se a gente vai fazer com recurso próprio e quem vai fazer.

Sobre os assuntos que requer atenção com maior brevidade, o Secretário garantiu que serão atendidas as reividicações.

Em relação a coleta do lixo, vou falar com o rapaz encarregado da Ligue Lixo, questionar por que não está coletando, vou pedir para limpar ali essa semana que vem, para consertar essas lâmpadas.

Júnior salientou que ao final do projeto, ele irá passar ao Gestor Municipal.

Quando tiver pronto, posso mostrar para alguém. Inicial aqui falta pouca coisa para terminar. Mas precisa fazer o levantamento, o custo, o que vou gastar, aí acho que nestes 10 dias o projeto está pronto. Para executar, aí vou ter que mostrar o prefeito, para a gente planejar como é que vamos fazer, então não posso dá um prazo, que dia vai começar.

Bia informou também aos presentes mais um problema em relação a segurança e pediu união de todos para buscar apoio da Polícia Militar no local.

Essa semana, eu liguei pro batalhão e pedir para fazer uma Ronda aqui e fiquei esperando na porta da minha casa, estava um movimento bem estranho e a Ronda Policial não está acontecendo. Sempre passavam, por volta de 20h30min, e não está havendo mais. Isso é importante aqui, não é uma Ronda Ostensiva, mas sim Preventiva, por que é um bairro mais afastado, todas as casas têm muro alto, terminou o funcionamento dos órgãos, isso aqui fica extremamente isolado, então é necessário também a questão da Ronda e não é a primeira vez que ligo para a Polícia pedindo e não vem.

Já a moradora Socorro Bastos, que reside há mais de 3 décadas no local, destacou os detalhes do projeto e salientou que todos os residentes do bairro desejam que o espaço não seja de lazer apenas para as crianças, como também aos pais.

Para ter uma área de areia, para a criança ter contato com a terra, um campinho. A população toda já pediu para colocar (em outra área próxima) aparelhos de academia, por que as crianças estão brincando, os pais pelo menos vai preenchendo o tempo.

Socorro relatou que já presenciou diversas vezes pais tendo que improvisar algo à noite, para deixar os filhos brincando na praça.

Como não tem iluminação, o pai liga o celular para a criança brincar, isso tenho presenciado aqui quase todos os dias.

Uma geladeira presente na praça, usada como estante de livros, também foi quebrada e vários livros sumiram, é o que diz a moradora.

Juninho fez uma arte linda na geladeira, arrancaram a porta, é um vandalismo danado aqui à noite. Fizemos a Campanha do Livro, todo mundo recolhe livro, coloca aí na geladeira, para os pais também ficarem lendo, as crianças lendo, destruíram tudo.

Ela também cobra a presença de um vigia dentro da praça.

Pelo menos duas ou três vezes por semana para manter as plantas, por que quem molhava essas plantas fomos nós.

Bia Bastos também disse que além da questão paisagista do espaço de lazer, a reunião servia como forma de cobrar uma atenção cultural maior para uma praça que foi o começo de tudo para o município.

Aproveitando a presença de Gil aqui, a questão cultural, há uma falta de conhecimento, mas aqui é o marco zero de Macaúbas. A própria cidade não conhecer sua história, não revitalizar (…) informasse a população que saiu daqui o povoamento, a primeira Igreja, o alicerce dela está aqui dentro do Coité.

Para o Secretário Adgilson, a Gestão está promovendo o Projeto Cultura na Praça e o Coité terá a oportunidade de receber também as apresentações culturais e as exposições de macaubenses.

Quando a gente riscou o projeto, está lá uma pauta bem interessante que é valorizar as praças, por que o Projeto Cultura na Praça não vai ser só lá na Praça Bela Vista. É para ele andar, que ele é um projeto continuado, riscado no papel, só que não tem ainda os locais de onde serão executados e a gente entende que as praças muitas vezes são construídas e posteriormente esquecidas.

Gil diz que tem a ideia de colocar algo atrativo, na linha de artesanato por exemplo, para os turistas terem uma maior percepção da importância do local para a cidade.

Colocar a praça para ter algo, na linha de artesanato ou qualquer outro seguimento da nossa região, atrativo, para que turistas e visitantes possam ter uma vendinha, uma barraquinha para vim, para conhecer. Aqui é um local muito importante por que como todos sabem, aqui é a mãe de Macaúbas. Então, o Projeto Cultura na Praça com certeza virá pra aqui e por que não ficar aqui alguns dias.

Após o encontro, o Secretário de Cultura ainda garantiu que a sua pasta se encontra disponível para colaborar com todo o processo cultural na praça.

À disposição para quaisquer eventualidades e, tudo dentro da possibilidade, a gente está de braços abertos para apoiar aquilo que for preciso e possível, dentro do nosso município, para agregar valores, em prol dos nossos fazedores de cultura, de A a Z.

Ao final da reunião também, ficou decidido, por parte do Secretário de Obras, que em questão de 10 dias certamente o projeto estará pronto, mas as ações rápidas, como limpeza e iluminação, será corrigida nesta semana.

Confira algumas fotos da Praça do Coité atualmente:

Por: João de Jesus / Fotos: João de Jesus

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on print
Share on email