Caturama: Professora diz que a direção do Colégio São Sebastião praticou desigualdade no trato com parte de seus servidores; Instituição respondeu ao questionamento da Macaúbas FM

A redação da Rádio Macaúbas FM recebeu a informação sobre uma situação que ocorreu no Colégio São Sebastião, que fica no município de Caturama/BA. A cidade é coberta pelo sinal da 103,9, inclusive com muitos ouvintes.

A solicitação de quem acompanha sempre a emissora é referente a uma professora, de nome Maria Nazaré, que foi desligada da instituição citada. A servidora alega que a escola a desligou por questionar a desigualdade no trato com parte de seus servidores, não obedecendo aos critérios adotados, que se dera apenas, mediante requerimento a Instituição.

A Macaúbas FM entrou em contato com a docente, com a instituição e teve acesso a uma nota de repúdio do Conselho Estudantil.

Entenda a história a partir das notas.

Nota da Professora Maria Nazaré, divulgada na íntegra, da forma que foi recebida pela equipe da rádio:

Democracia???Golpe??? Estimados colegas professores,alunado do Colégio Estadual São Sebastião e sociedade caturamense, venho por meio deste instrumento colocar à todos que como professora de sociologia desta unidade,formada em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Estado da Bahia,no meu juramento de colação de grau prometi colaborar na construção de uma sociedade mais justa e plural,no entanto me deparei com um ambiente escolar desfavorável à liberdade democrática e de igualdade de direitos, onde professores REDAs de 20 h semanais que,vem de cidade longínqua e que se submeteram à provas são tratados com muita desigualdade em relação a professores de carga horária o dobro da nossa,na qual fazem uso de parâmetros/regras que quando se chega a nossa vez de sermos contemplados só conseguimos mediante ofício/requerimento,situação está nunca vista ,na minha intinerancia ,como professora REDA ,que submeteu à provas, nas escolas estaduais de outras cidades que já trabalhei,durante 12 anos de trabalho,com seus autos e baixos…nunca vi coisa parecida! Quando coloquei em questinamento que nós alunos e professores ficamos descobertos de coordenador em 2 dias da semana na qual ele se faz como a ponte entre professor e aluno na operacionalização das aulas,uma vez que pelo arranjo da nossa escola, como que o profissional cumpre a sua carga horária de 40 h em 3 dias e nós de 20,na função de professor estávamos fazendo também em 3 dias evidenciando assim a desigualdade entre nós e o outro que para reduzirmos para 2 dias,após o pedido de remoção de alguns professores se deu mediante muita luta.Estudei 6 anos de faculdade morei em república universitária para entender o funcionamento da sociedade das instituições e não puder questinar a instituição de trabalho a qual sou analista e objeto do estudo…Este embate se trava principalmente à nós, que nos deslocamos a uma distância maior até o posto de trabalho,visto que nosso principal embate hoje é a inflação da gasolina e o arroxo salarial!Acredito que, em função destes questionamentos e de ter apoiado meus alunos que não tinham transporte escolar e que precisavam,de ao menos,esse direito garantido porque já são violados ,historicamente falando, de uma série de direitos que,em muitos lares, fora agravado pela pandemia do covid-19, bem como acredito eu da exposição de vídeos,de denúncia social,pelo alunado no dia mundial da água que relatavam a existência da não universalizacao do acesso a água potável em muitos lares da comunidades rurais do município,na qual a somatizacao dos mesmos,resultou não só uma alteração prejudicial no meu horário de trabalho,como também em uma guerra contra mim,sou acusada de calúnia e difamação à coordenadora pedagógica, fui acusada também de transtornos de ordem metodologica,relacional,por parte do diretor da escola e coordenadora escolar,na qual tiveram como testemunhas ,todos os servidores administrativos caturamenses contratados e ligados a política local , subjugando os ao controle social para conservação de seus empregos, situação esta que nas ciências sociais denominados de precarização do mercado e das condições de trabalho no modelo de produção flexível onde a demissão,o desemprego é o modus operandi do sistema produtivo de nossa época!Na intenção de mim tirarem da escola(diretor,coordenadora pedagógica e uma servidora contratada)esta última diretamente ligada ao gestor político local,com laço de parentesco de até segundo grau, tentaram manipuladar os alunos,os lideres de sala,retirando os,por diversas vezes da sala,para tratarem ou tomar a “dor” de assuntos que eles não tinham nada a ver!!! Inclusive no dia posterior, os alunos produziram um documento se abstendo da situação, que queriam usa los como prova contra mim!E toda a documentação para ratificação desta fala será anexada nos auto da minha defesa. Na última sexta-feira dia ,primeiro de abril de 2022 ,os “interessados” convocaram uma reunião relampago,sem comunicação prévia do colegiado escolar,em que não se encontrava todos os seus membros votantes,sendo que a maioria presente,fora os interessados e uma testemunha!Me pergunto,como os acusante(s) que serão por mim acusados,podem ser votantes??? Os votos minoritários foram dos representantes de aluno,que votaram contra os intentos dos demais votantes,3 votos,contra 2!!Mexeram com o profissional certo…que é analista em gestão autoritária!Mas que democracia perversa,heim,senhores administradores do Colégio Estadual São Sebastião de Caturama-BA !! E,como preposto das Ciências Sociais e humanas vou construíndo meu caminho de resistência! E contra as arbitrariedades na educação, entendida aqui como espaço/fonte de poder e dominação! Desta forma não podemos permitir à dominação política, ideológica e partidária na educação,que sempre foi e sempre será um instrumento de luta contra poderes controladores ,governos e gestões autoritárias! “A injustiça que se faz a um,é a ameaça que se faz a todos!” Barão de Montesquieu Este é o meu relato ,Maria Nazaré ,educadora e técnica social macaubense!

Confira a Nota de Repúdio do Conselho Estudantil:

Prezando pela transparência e imparcialidade, a Macaúbas FM entrou em contato, através das redes sociais, com o Colégio Estadual São Sebastião, de Caturama, para ter algum esclarecimento sobre o caso. Em resposta, foi recebido pela equipe de Jornalismo da emissora que “a servidora não estava cumprindo as normas e orientações da Unidade Escolar. Atenciosamente Direção Escolar”.

Maria Nazaré ainda completou que ela não teve como se defender.

Eles me desligaram, sem chance de defesa, me chamaram numa reunião, criaram uma situação, em que alunos e professores não estavam por perto, e me acusaram de caluniar e difamar a Coordenadora no momento da reunião e na sala de aula.

A professora disse que conta com o apoio dos alunos e de outras pessoas.

Os alunos, representados pelo colegiado estudantil já emitiu uma nota de repúdio sobre o ocorrido e estou a todo tempo recebendo apoio.

A Professora Maria Nazaré conclui que fatos como esse mostram a importância de instituições de ensino fortalecerem seus colegiados.

Reitero, após o ocorrido, da importância de as escolas das redes municipais e estaduais de ensino refletirem, reverem e fortalecerem seus colegiados, que no caso em questão o colegiado estudantil foi essencial à sua absolvição social. Num estado democrático de direito, são extremamente essenciais, uma vez que ‘nossos patrões’, o alunado, constituem nos principais reguladores de forças e antagonismos que ocorrem no interior das escolas.

A equipe de Jornalismo da 103,9 irá seguir acompanhando o caso e reitera que o espaço fica aberto para qualquer outro esclarecimento, que alguém julgar necessário fazer.

Por: João de Jesus / Foto: WhatsApp/MacaúbasFM

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on print
Share on email