Mariana Xavier ainda não tinha falado com ninguém sobre a morte de Gabriel Diniz. Um dia antes, ela comemorava seu aniversário de 39 anos ao lado de alguns amigos em Nova York, nos Estados Unidos, quando foi despertada no dia 27 de maio com a notícia de que o cantor havia morrido em um desastre aéreo.

Foi um baque terrível. A gente não era amigo íntimo, nos conhecemos no trabalho, mas vivemos juntos um momento muito especial de nossas carreiras. Nos encontramos nesta energia solar, que os dois tinham, então existia uma gratidão mútua. Somamos forças para algo que foi muito marcante em nossas vidas. Quando acontece algo assim, não tem como não ficar baqueada e deixar de sofrer”, desabafa.

 

Ela protagonizou o clipe Jenifer, que explodiu no Carnaval de 2019, e mostrou que uma mulher pode ser desejada, mesmo sem ter o corpo padrão modelo de passarela. A atriz diz que não tem como não repensar sua própria carreira e como ela coloca um artista em posição de risco.

“Como as carreiras são muito voláteis, temos de aproveitar o sucesso quando ele chega. Quando vem uma boa onda, a gente tem de surfar e nos sentimos pressionados a aproveitar ao máximo. Nesta querer aproveitar o máximo, a gente acaba abreviando a vida. Aliás, eu penso coisas muito contraditórias sobre isso: sou espírita, então meu lado religioso entende que ninguém morre de véspera. Quando algo acontece, é porque a missão daquela pessoa já se esgotou por algum motivo. O meu lado racional pensa que a gente está se esgotando e se expondo a riscos para vencer na vida e querendo suprir a expectativa do sucesso.”

 

Mari ainda explica que decidiu não se pronunciar sobre o desastre porque houve um grande assédio por parte da imprensa quando Gabriel morreu. Ela lembra que ainda tentava assimilar a notícia, quando jornalistas ligavam e tentavam fazer uma chamada de vídeo para lhe pegar desprevenida e, talvez, flagrar uma feição de choro.

Foi muito horrível e invasivo. Foi pesado! Eu não queria participar daquele espetáculo da tragédia, sabe? Era algo triste e doloroso demais para participar. Eu não gosto disso, acho feio e não queria de jeito nenhum que alguém achasse que eu estava me promovendo em cima de algo tão triste. Eu só queria estar com meus amigos, receber abraços e agradecer a oportunidade de ainda estar aqui. Eu só consegui pensar que a vida é um sopro [chora]. A gente tem de se preocupar com o que realmente importa, ser nossa melhor versão e deixar as melhores mensagens que pudermos no mundo porque... [chora] a gente não sabe até quando estaremos aqui”, lamenta.